quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Primeiro Post? - By Sahge


Ano novo ou melhor, resoluções de Ano Novo...

Já caiu no lugar-comum, a certeza de que muito provavelmente nada daquilo que nós prometemos para o próximo ano, efetivamente cumprimos e isso não diz nada sobre nosso caráter ou força de vontade. É que o tempo e as circunstâncias da vida impedem que cumpramos as promessas feitas, aos outros e a nós mesmos. Também é lugar-comum dizer que em virtude da impossibilidade nossa de cumprir as promessas feitas, prometemos a guisa de desculpa para fugir aos compromissos "não prometer nada".

Promessas...Feitas a si mesmo se tornam projetos de vida e no ano passado ao inaugurar um Blog e meio entorpecido por um otimismo de fachada, elaborei ao longo de meses umas resoluções, uns projetos de vida a que denominei "Desejos". Acabei me esquecendo de que não existe coisa mais inconstante e mais volátil do que "Desejo".

Enfim, dentre outras coisas, estabeleci como meta, como meus desejos; "Não me quebrar mais, aprender a dizer muito falando pouco, me emocionar com todas as manifestações artísticas, voar..."

Eram para ser doze desejos, elaborados ao longo de doze meses e agora deveria estar celebrando a realização de ambos. Ficaram, é claro, apenas na planta e nem cheguei a elaborar todos os doze.

E como sei que não cumprirei, seja lá por que motivo for, aquilo que estabeleço como meta emocional, meu único desejo agora poderia ser expresso como: "Desejo não desejar mais nada", mas me conheço bem o bastante para saber que nem isso eu conseguiria cumprir.

Não desejar, não sentir...Tornei-me razoável demais ( e estou para decidir se isso é ou não uma vantagem) para ver nisso um projeto  exeqüível. 


Ainda assim, uma parte quase perdida de mim persiste em acalentar esse meu primeiro e natimorto desejo, para 2011 e para o resto da minha longa e tediosa ou breve e fulgurante vida.

E enquanto reluto em meditar nesse meu desejo de alcançar o niilismo emocional, compartilho, a quem interessar possa, essa minha inquietação.

Qualidade e honestidade na escreita são algo pelo que me empenho e embora eu fique devendo bastante na primeira, me esforço e me esmero na segunda. Posso com orgulho me afirmar um autor honesto, razão pela qual o que escrevo é por vezes tão confuso, contraditório e pode muito bem enfastiar quem se aventurar por aqui, se é que alguém virá. 


Gosto de pensar que alguém virá e dou esse breve aviso não por modéstia (qualidade que não tenho muito) mas por  uma amabilidade de minha parte, a você que leu até aqui estas minhas linhas.
Obrigado por fazê-lo e saiba que eu desejo, de coração, tê-lo atingido de algum modo. Mas não espero tanto. Só espero que volte aqui algum dia e me dê a oportunidade de atingi-lo de fazer alguma diferença ou provocá-lo, mesmo que seja com tédio, porque o que assusta de verdade, é ser emocional e intelectualmente inofensivo.

Bem vindos aqui!

Em tempo; O ponto de interrogação no título do post é porque já tive três blogs e portanto, este não é o meu primeiro, como o ultimo que escrevi em outro lugares não foi também o ultimo. Começo e fim são apenas questões de semântica. Talvez...