domingo, 30 de março de 2014

Dos restos dos meus diálogos oníricos


...e mesmo que a gente não venha a este mundo aparelhado com uma tecla f5, é necessária atualização constante do que nós somos e isso implica longos auto-diálogos para dentro. Então conhece a si mesmo para tornar-se o que você é.

Isso requer mudança, porque sem mudança há a extinção do que somos, porque a moeda de troca pela aceitação do mundo e (pasme) até de nós  mesmos, é a nossa identidade. Não  a cristalize, pois, em modelos.

O que não muda, desaparece e você tem sim de mudar constantemente para estar cada vez mais parecido consigo mesmo. "Só o mutável pode perdurar", lembra?

..e antes que o despertador grite para que você vá (ainda) mal aparelhado para a batalha do mundo, me deixe dividir com você uma quase-verdade que troquei por uma imperfeição de que gostava muito:

O Amor tal como nos é ensinado não existe. O que existe é desejo de posse.

É só pensar que se você diz amar algo ou alguém, ficará apavorado com a ideia de ter de partilhar com outro esse objeto do seu amor.
Talvez até o faça, por razões que só o inferno compreende, mas não sem uma quota considerável de sofrimento.

Houvesse um mandamento contra essa idéia, seria: "Não chamarás 'amor' o teu desejo de exclusividade emocional ou sexual sobre nada ou ninguém".

Não é um pensamento confortável, mas talvez te desperte mais eficientemente do que as xícaras de café amargo e o banho frio.

O único amor real, é o que se tem pelas ideias, porque essas, você ama e faz questão de partilhar e de soprar ao vento como dentes-de-leão.


sábado, 29 de março de 2014

Da minha coleção


Tem gente que coleciona selos, moedas, namoradas...

Eu coleciono defeitos.

Todo dia esbarro em um pelas esquinas e como o adulo e lhe faço carícias, o bandidinho me segue até em casa e daí fica difícil me livrar do bicho. 

Então minha coleção aumenta exponencialmente, enquanto meu estoque de amigos diminui na mesma proporção.

Hora ou outra tenho de fazer um puxadinho moral para colocar em ordem essa coleção e para tanto, terei de demolir um cômodo ou dois onde tenho alojado qualidades mentirosas.

É um inferno, porque a unica coisa que tenho para amar em mim mesmo atualmente são meus defeitos, porque eles são muito mais genuínos do que as minhas qualidades reais ou imaginárias, então fica difícil desfazer-me de um item dessa coleção, mesmo os que tenho repetidos e que poderia trocar num escambo de más qualidades. 


Quer dizer, a gente até pode mentir para os outros ou para nós mesmos, sobre as próprias virtudes e embora as pessoas possam ter ilusões a seu respeito, você é uma pessoa bem desafortunada se tiver uma repulsa natural pelas auto-mentiras.

Se eu fosse um sujeito esperto, colecionaria selos, , namorada, moedas ou falsas qualidades. 
São coisas muito úteis e as pessoas em geral gostam bastante de quem ostenta um bom estoque dessas coisas.

Mas quem disse que eu sou esperto?
Sei lá se alguém disse. 
Foi uma pergunta meramente retórica.

Mas se alguém tivesse realmente dito, estaria falando, é certo, de uma das poucas falsas qualidades minhas que pretendo desalojar para ampliar minha coleção de defeitos genuínos.

---
Ah e só pra constar, não, não sou adepto da misoginia ou da misandria.
Sou misantropo mesmo e minha birra de gente (que oscila para um absoluto fascínio e simpatia) não conhece e não reconhece gênero.

terça-feira, 25 de março de 2014

...e Sou um Macaco Infinito...



...e tem até um esquema matemático (que eu não vou colocar aqui porque não sei escrever potencias numéricas nas postagens do blogger) para provar  argumentar que, um macaco digitando aleatoriamente numa máquina, caso tenha a sua disposição uma quantidade de tempo considerável (digamos a eternidade, para começar) forçosamente acabará por escrever toda a obra de Shakespeare. Na verdade, tendo a eternidade a sua disposição, este macaco infinito acabará por escrever eventual e aleatoriamente e sem querer (já que o caos não tem escolha a não ser produzir a ordem)  todos os escritos que já foram ou serão feitos em qualquer tempo.

Essa ultima inferência é minha...

Daí eu teimar em escrever o que quer que seja que deslize do meu cérebro (ou seja lá de que diabos de lugar, pâncreas, fígado ou alma, me venha em profusão essa glossolalia verborrágica) para os meus dedos calejados, ainda que ninguém vá ler ou não faça o menor sentido, nem mesmo para mim que digito essa droga toda.

Ainda ontem encontrei um pendrive cheio de textos e pseudopoemas que eu havia feito, mas que nem cheguei a postar. Passando os olhos brevemente por eles relembrei o porque de tê-los abortado: Eles me pareciam obra de alguém que pretende transmitir algo, alguém que enseja falar a quem quer que seja e uma voz a procura de ouvidos.

Natural que os abortasse e os renegasse sumariamente.

Eu só pretendo transmitir confusão.

Por que é só o que tenho.
E cada vez que escrevo qualquer droga que me pareça algo dito por alguém que está numa posição de quem sabe algo, então me sinto o maior idiota do mundo.

Sensação deveras repugnante, mas muito recorrente uma vez que para cada texto que posto aqui tem pelo menos outros três que ficarão no limbo.

Porque "você não sabe de nada Luiz" é mais do que a frase do meu epitáfio, é a expressão de uma verdade indigesta.

Vou continuar a digitar aleatoriamente, sem compromisso (pelo menos consciente) com a escrita ou com a concatenação das ideias.

Afinal, a sintaxe do caos é genuína apenas quando NÃO HÁ SINTAXE.

 E eu, caótico macaco infinito que talvez nem mesmo dure  o bastante para ler entre as minhas linhas algo que eu sinta valer a pena ter digitado, não vou desistir de escrever, mesmo porque eu nunca aprendi ambas as coisas; a escrever e a desistir.

Para a trágica condição do meu existir...


sexta-feira, 21 de março de 2014

Um momento de chauvanismo místico




Apesar de ser um incrédulo fanático e apóstata de tudo o que é "bonitinho" e esteticamente doce, sou, penso, um sujeito de muita fé.

Tenho fé na minha descrença e acredito que muita falta me faz o dom divino de ter fé. 
No que quer que seja.
Por exemplo, contrariando a todo o pensamento corrente (ao menos no ocidente que tem a pretensão de ter a palavra ultima sobre tudo), acredito piamente que Deus não é Ele, mas Ela.

E olha que eu nem acredito em Deus.
Não mais do que não acredito em mim mesmo e nas minhas descrenças.

Eu nunca entendi essa coisa de "deus-pai", como se o ser superior tivesse testículos e gametas para preenchê-los e (já fui até aqui em minhas heresias sem que um raio me caísse na cabeça, então, vou me permitir ir adiante!) fecundasse a criação como um homem "fecunda" uma mulher.

A lógica me diz que se deus existe, ele só pode ser mulher.
E não é porque o ato de gerar seja um atributo tipicamente feminino ou porque o universo seja maravilhosamente caótico e cheio de minúcias, porque estou convencido de que a unica coisa que um homem faz melhor do que uma mulher é urinar em pé (embora eu saiba de umas que se tem aprimorado nesta técnica e de uns que nunca a aprenderam corretamente, como se verifica nas tampas de sanitários) e um deus macho pode ser igualmente capaz de ser confuso e minucioso como o é aquele(a) ser que talvez esteja neste momento preparando um relâmpago destinado a me abater (é, eu me acho sim! Na verdade, não me acho. Me tenho certeza, ainda que duvide dela!).

E nem adiantaria enumerar os aspectos positivos e negativos da divindade, porque neste sentido, tudo o que se diz de uma mulher pode igualmente ser dito de um homem, embora em instâncias diferentes.

Mas o que me convence, a mim que não me permito convencer de nada, de que Deus é fêmea, é por uma razão muito pessoal:
E nunca me dei bem com as mulheres, do mesmo modo que não me dou bem com Deus(a).

Temos, penso, uma mútua incompreensão, sua lógica é confusa para mim e a minha confusão não se acerta com Sua lógica, tenho um desejo muito profundo de acreditar nele(a), papagueio um monte de asneiras no afã de chamar sua atenção (ainda que seja um raio como castigo pelas heresias), acho que a existência dele(a) é a coisa mais necessária neste universo (embora as evidências A MIM mostrem que no céu só tem estrelas e aliens e vácuo), amo (a idéia de) Deus(a), mas Ele(a) sequer tem idéia do que eu amo ou odeio.

Deus(a) me ignora completamente (apesar do discurso de que Ele[a] tem um plano qualquer que me envolva pessoalmente, trata-se de plano obscuro demais e muito mais da cabeça dos que dizem ser Seus porta vozes do que o que a realidade das coisa me tem revelado) e é a mais maravilhosa musa a me inspirar a mais profunda angustia existencial.

Dificilmente  um macho, seja físico ou metafísico, seria capaz de inspirar (ao menos a mim) tanto fascínio, confusão, pavor e uma indisfarçável revolta  pelo seu aparente desdém.
Deus não gosta de mim embora eu o ame e não acredite nele.
Logo Deus é mulher.

Postagem estranha para o mês de março, mas eu sou estranho e acho que por hoje vou me permitir abrir mão do compromisso de tentar aparentar normalidade ou bom mocismo.

Não que seja necessário esclarecer, mas a postagem acima, embora seja  expressão da minha verdade particular (logo frágil e passível de mudança nos próximos segundos) é uma descarada provocação a uma amiga; criatura maravilhosa, visceral em sua genialidade, tola até a raiz dos cabelos quando se irrita, uma feminista roxa, ateia fanática, pensadora vitoriosa e o mais implacável inimigo da minha irascibilidade imbecil.