quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Sobre vitaminas que não tomo e noites que não durmo...

Me afogo...
E, no entanto, não ouso descansar os braços enquanto nado nesse abismo de água repleto de monstros que sussurram meu nome na escuridão.
Ainda sou o embaixador de mim mesmo, mas não faço proclamas porque ainda não acredito no meu produto. Uma buzina soa, alguém dobra os joelhos e grita aleluias e eu olho irritado o inicio do apocalipse, porque o mundo vai acabar ainda não acabei de ler um livro que ganhei de aniversário..

Um sonho mau... Apenas isso.
E então fico aqui,inerte por um tempo...
Eu me espreguiço de tédio nesse escuro porque terror é coisa que compreendo tão bem quanto as letras miúdas em frascos de vitaminas que meus olhos não conseguem mais ler sem óculos e meu esquecimento não dá conta de engulir.
E a droga é que nem tenho óculos, mas tenho uma memória elefantina...

Talvez eu devesse ter óculos...
Talvez eu devesse ter anseios, desejos de felicidade e amor, mas sempre que penso nisso, me sinto tolo, como alguém que teima em tirar água com que se afogar em um poço que já secou há muito tempo...
Até sinto um pouco de medo, mas não o compreendo...
Em um mundo de sensações, fico imaginando se alguém compreende ou mesmo se alguém se importa em compreender algo, além de sentir.
E é através dessa vida vítrea que meio trôpego, me levanto no escuro, me desvio de um ou outro fantasma lamentoso e praguejo contra o pé da mesa no qual dou topadas no escuro.
Queria não ter bexiga, vizinhos barulhentos e sonhos perturbadores e talvez não precisasse me levantar tantas vezes durante a noite.

Oh, deus do céu! De repente tenho 43 anos e nem sinal do rosto grave, absolutamente masculino, olhar duro e vida segura que em minha infância sonhava que estaria me olhando de volta neste espelho.

Um corpo lânguido, uma alma febril e um sentimento de virar a esquina da vida a qualquer tempo. Alguma coisa deu errada na minha, mas faço balancetes diários e ainda assim não fecho a conta, mas fecho o armário do banheiro e la está a cara de garoto cansado me olhando...

Uma semana sem fazer a barba e nem sinal de pelos espinhentos que me completem o ar de decadência. Preciso checar o cartão de crédito, o cheque especial, as notas da escola da minha filha e meus níveis de testosterona.
Deus! Que hora ruim pra ser ateu! Eu poderia fazer como fazem seus “filhos” e culpa-lo por tudo, dizer que é um dos seus “planos misteriosos” e me consolar de alguma forma absurda e esotérica. 
Ao invés disso fico aqui, me culpando por tudo,  até pela vitória de Trump e a queda de todos os aviões  e projetos de vida do mundo...

E porque diabos estou escovando os dentes as três da madrugada?!
Cabelos brancos desde os dezesseis anos, então não posso me vangloriar dessa névoa no topete como uma condecoração pelo tempo de vida e eu nunca fui vaidoso, mas que merda! Se não posso ter um rosto bonito, ao menos não poderia tê-lo um tantinho mais viril?
Olhos tristes e cansados, cansados também de se verem a cada manhã e agora a cada madrugada nesse espelho salpicado de creme dental.

É insano!
Sempre tem alguma porcaria de cachorro latindo, rádio ligado em algum lugar, gente gritando em um bar próximo e eu que deveria estar dormindo, irritado como um autêntico velhinho mal humorado que fica reclamando do barulho.
E pra falar a verdade, fico mais incomodado é com o silêncio nesse lugar, parecido ao silêncio da selva, como se algo inacreditável e violento estivesse pra acontecer.

Reminiscências de uma noite insone e insana...
Sinto vontade de fumar e novamente me lembro de que nunca fumei e que detesto o cheiro de cigarros e que detesto estar detestando tudo o tempo todo, mas que se dane isso!
Cada qual com seu talento, não é?
O meu é estar mal e detestar, eu acho.
A única coisa que parece que sou bom.

Tenho uma inclinação patológica pra estar  mal..
Tenho um buraco onde deveria haver um estômago. 
Uma fome de tudo que paralisa meus sentidos.
Tenho cãibras nos braços e nos motivos,
Tenho preguiça até de ter preguiça e me movo de volta pra cama fria em câmara lenta enquanto sobem as letras dos créditos finais de minha vida.











segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Entropia em segunda feira de cinzas



Aponte a ponte que me leve a isso dai que se parece tanto comigo como eu queria ser, sobre o meu rio de pequenas decepções quotidianas e eu te seguirei até o começo do fim do mundo.

Mas eu vou seguir seu dedo e seu sexo e seu nexo, então não ponha as mãos nos bolsos antes que eu me ponha a andar para lá, para o ponto onde aponta ou me perderei entre as miudezas dos seus bolsos e da minha vida.

Eu vou mudar e vou me tornar mais parecido comigo e então não vou me reconhecer mais do que me reconhece você, quando olha o rosto estranho nesse espelho trincado.

Ainda cato rimas desconexas e moedas perdidas com que comprar um sorvete de limão ou compor um poema. Mas eu tento rimar com palavras que não rimam e o dia está frio para um sorvete.

E no refrão da minha consciência, "amor" ainda rima melhor com "Dor", mesmo porque não há calor, ardor ou muito sabor em um dia frio.
Ao menos, não pra o tipo de pessoa que você quer que eu seja, mas que eu teimo em não me tornar...


E para falar a verdade, já que estamos sozinhos aqui na multidão que se aperta neste inicio do fim do mundo, você meio que matou meus motivos para ter motivos e eu me deliciei, porque então tive motivos para ficar sentado no meu trono de autopiedade, e pude escrever por horas a fio esta carta que não te enviarei...


“… A senhora me desculpe, mas no momento não tenho muita certeza. Quer dizer, eu sei quem eu era quando acordei hoje de manhã, mas já mudei uma porção de vezes desde que isso aconteceu. (…) Receio que não possa me explicar, Dona Lagarta, porque é justamente aí que está o problema. Posso explicar uma porção de coisas, mas não posso explicar a mim mesma …” - Alice no País das Maravilhas

Fonte da imagem: http://nexus-wallpaper.com/wallpaper/abstract/digital-art-colorful-circles/

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Dia tanto, do mês tal, de dois mil e sei lá...



Foi só começar a chover e eu fiquei feliz como um masoquista de coração partido. 

Pensei que a água lavando vidraças e pecados de BH finalmente me tiraria desse hiato de escrita e eu poderia me inspirar na atmosfera intimista que a chuva proporciona ao nos prender em casa.

Posso bem me lembrar de umas duas ou mais postagens de que me orgulhei de ter escrito e que me vieram em dias ou noites de chuva, quando o mundo parece aquietar e se recolher um pouco.

Mas qual o quê!

Duas horas olhando a janela e só me veio à mente o vazio suave que me tem comido pensamentos, porém aflorado lembranças que bem poderia apagar junto aos pensamentos que me come. Eu fiquei hipnotizado pela queda da água, mas afora a beleza do vazio contemplativo, não me ocorreram linhas que partilhar.
Um desânimo que até do desânimo me desanima me abraçou os ombros e só então desisti de tentar arrancar da chuva o que o cansaço de existir aparentemente calou em mim.

Uma musa...
Tem uma musa que tenho procurado evitar.

A única que não me abandona nunca e a única que me inspira longas horas e muitos textos que deixo apenas nos repartimentos mofados da minha consciência porque a ninguém interessa de fato.

E não há de me inspirar nada que não tenha inspirado antes a atitude sonhadora de Renata, nem a candura um tanto infantil de Adla, nem a turbulência emocional de Karol, nem a feminilidade marcante de Paola.... Nada tem me inspirado mais do que a grande musa da filosofia:

A Morte.

Contrário a maioria da minha geração, nunca fui um caçador de sensações, mas de conhecimento, ainda que tente obter esse conhecimento mesmo através de sensações.
Sensações são inúteis...

Mas que é que sei de sensações?
Que é que eu sei de qualquer coisa?
Pouco, eu acho, de pouco.
E quanto mais eu sei, mais me sinto tolo e mais quero saber, porque o acúmulo de conhecimento me torna ainda mais consciente da minha estupidez...

A Morte é, talvez, a única coisa que realmente sacie a necessidade de conhecimento. Talvez seja uma musa um tanto lúgubre, mas isso é o que pensaria a gente que se apavora com a ideia da própria finitude (como se se pudesse honestamente ignorar isso por um momento que seja), mas andei pensando que afinal, tudo o que a gente tanto se esfola para buscar e alcançar está em vias de passar, ainda que o consigamos.

Nenhum alimento sacia de vez a necessidade de comer, nenhum beijo elimina a vontade de beijar e nenhuma paixão cala de vez a necessidade idiota do nosso coração de se apaixonar.

Vivemos e morremos com fome de tudo e de nada e nada sacia a fome, mesmo que tenhamos tudo.

E eu quero saber tudo.
Tudo o que há pra saber. 
Mesmo as coisas mais dolorosas, me angustia até o limite do suportável não saber de algo.

Mas suponhamos que eu soubesse que no dia tanto do mês tal de dois-mil-e-sei-lá eu fosse morrer. Esse conhecimento suplantaria toda a minha necessidade de conhecimento e eu teria então um pouco de paz para olhar pra chuva sem ansiar que ela me inspirasse nada que não fosse o vazio lindo que me absorveu por horas. Se eu soubesse quando vou morrer, não iria por aí, como todo mundo diz “vivendo a vida ao máximo”, porque quando alguém diz isso, está na verdade, sendo fiel à minha geração, fazendo apologia a um modo de vida hedonista, como se o prazer fosse tudo o que houvesse para torna a vida o máximo.

Sei lá...

Entre o último parágrafo e esse eu fiquei absorto por mais uma hora olhando a chuva e pensando na minha finitude. Nem sei como terminar esse texto e nem sei se devo ou não o postar.

Atualmente me sinto alienígena até de mim mesmo e tão desconectado de tudo que suspeito que só estou ancorado neste mundo por causa das roupas e nu, cairia pra cima e pro vazio.

Fiquei em um beco sem saída com esse texto idiota, inspirado por uma sensação de vazio idiota em um homem idiota.
Então vou terminar compartilhando minha citação favorita, cunhada pelo meu ser humano favorito e que me fará suspirar por mais umas horas a olhar pro vazio, pra chuva:

“Gosto de desenhar os suspiros dos átomos. E colocar acentos agudos em seus sonhos”.




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Enquanto Setembro agoniza eu conto lírios em um jardim que não existe...

Se ao menos não me fascinasse tanto os fragmentos de vida sobre os quais bocejo meu desinteresse sutil,
Se ao menos eu não estivesse tão empenhando em olhar para o vazio da noite esperando ver – o que? Gritos de socorro nas esquinas lá fora que sufoquem os gritos de socorro emudecidos aqui dentro? – sondando, tentando achar o que quer que se ache quando se olha pro vazio da noite

Se ao menos não me importunassem com conversas enfadonhas os fantasmas da minha insônia,

Talvez me aprouvesse ser menos introspectivo para fora e mais extrovertido para dentro.... Eu faria carnavais silenciosos enquanto seguraria o queixo e olharia pela janela, perdido em atitude meditativa.

Um dia desses a rotação da terra me jogou para fora da cama dela (não me lembro qual, porque estranhamente ainda me aconchego em seus edredons e sorrisos no escuro) e tive que orbitar apenas em volta daquelas perguntas que deixei de fazer e das respostas que ela não me deu.

Mas ela.... Se empenhou apaixonadamente em ser uma mulher, mas negligenciou um tanto de sua humanidade, brincando com meu espanto quando lhe dizia que as duas coisas dançavam juntas e não eram antagônicas.

Por meu lado, fiquei enredado, perdido, devotado com ardor em minha humanidade e no processo, me esqueci completamente de ser um homem...

E eis-nos aqui, no limiar de qualquer coisa entre o que somos, o que queríamos e devíamos ser.

Mas na matemática das coisas, a paixão dela deu fruto e flor e ela se tornou uma mulher notável, extraordinariamente humana em sua feminilidade.

Eu por outro lado, tanto me esforcei e como resultado, sou um ser humano sofrível e o masculino se configura para mim em mistério e não sou completamente nem uma coisa e nem outra.

Apenas levemente irritado e um tanto comovido quando ela vem me pedir auxílio com as tampas de pote de maionese e com os grandes dilemas da existência, quando sei bem que ela se vira com essas coisas melhor do que eu.
Um truque indulgente para eu não me sentir tão inútil quando os badulaques da mesa da sala de estar.

Ainda me perco, caindo infinitamente pra dentro em pensamentos, enquanto setembro agoniza, a chuva pendura no céu - e ameaça e promete -  e ela passa óleo nas pernas e ri da minha confusão.

E  eu ouço o riso que espanta as pensamentos do céu, a chuva que agoniza dentro de mim e a confusão dos meses em que me perco e penso que amar é bom...
Miseravelmente bom.
...

Mas se você amar qualquer coisa que não lhe traga uma considerável quota de dor (ainda a iminência da perda), talvez seja só uma inferência de alguém que não sabe o que é amor, mas talvez eu saiba e creio que talvez é  você que esteja chamando de amor algo que seja alheio a isso..

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Na outra ponta do divã




Talvez no fim, não seja grande coisa meu corpo estar aquecido sob edredons em quarto confortável, se minha alma está enregelada debaixo de uma ponte. 

Oh, que pensamento trágico e gracioso...
Queria ter um verso adequado para rimar com ele e então eu teria poesia e não um exercício fútil de melodrama...

Mas a manhã está boa para pensamentos trágicos e graciosos e me apetece  acrescentar mais uma pedra ao edifício das minhas aspirações natimortas... 

Pensar a vida como uma sucessão de situações venturosas equivale a lançar minha autoestima cambaleante para uma sarjeta qualquer.

Ontem, e antes disso, num tempo que já não levo na consciência, dei-me conta final e tardiamente não entendo em absoluto a dinâmica da vida cotidiana dos semi-deuses que me cercam.

O mistério das relações nesse teatro de bonecos que se chama humanidade (e se Deus é o titereiro supremo ou mais um boneco nas mãos dos bonecos, não sei dizer), não é menos esotérico do que o elixir da vida ou do que a pedra filosofal.

Mas tampouco se pode ser realmente humano sem complicar mais as já complicadas relações.

Ou talvez isso tudo seja apenas fruto de uma má disposição do espírito hoje e semana que vem e no ano passado ou a negação de ter um espírito que vá ter disposição para mais do que se desesperar diante do absurdo.

Talvez seja o nada engolindo novamente o tudo.


E eu, que nada sei sobre nada do que sei, sei que manter elevadas expectativas de mim mesmo, desejando ser moralmente belo e virtuoso, far-me-á ter ódio de mim mesmo por não conseguir jamais viver a altura desses céus onde miro minha ambição por ser.

São essas aspirações que cedo ou tarde me farão acabar com os pulsos sangrando em algum canto escuro ou pendurado numa corda, embora eu prefira pensar que ainda teria forças para fugir para o vazio de modo menos drástico e mais digno.

Nem vou pensar demais nisso, porque a essas alturas, seria uma tragédia se eu me descobrisse súbita e abjetamente religioso.
Deus me livre e me dê antes uma morte honrada!
Mais pensamentos trágicos e graciosos..

Já então, não me podem seduzir ou amedrontar as ameaças do céu e do inferno e estou mais ou menos entregue ao mesmo princípio de caos que orienta o mundo, tanto quanto qualquer um, mas ciente de que estou perdido e de que preciso me orientar.

O caminho do bem não é a minha vereda.
O caminho do mal não é chão onde ponha eu os meus pés trôpegos.

Tenho de me equilibrar sobre a linha fina sobre o abismo, enquanto de ambos os lados, voam pedras sobre mim e urram ventos querendo me derrubar.

Não, este não é definitivamente o meu momento de maior inspiração. 
E o que é que pode inspirar o nada?

Nem é o tédio a corroer as minhas horas, mas o desejo de silêncio que vem da certeza de que lá na outra ponta do divã, dormita o analista e eu falo para os meus próprios ouvidos surdos.


sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Para aquelas noites



Para aquelas noites em que você deixa que tudo  transborde em si, o amor e o ódio na mesma medida;

Para aquelas noites em que você faz as pazes com o que em si te ensinaram a desamar, desarmar e temer;

Para aquelas súbitas e infernais noites em que toda a sua  lógica falha, toda a razão vai tomar chá com o diabo e deus vai colher flores por entre as suas estrelas ,

Para aquelas noites meu caro, em que você se permite desejar derreter-se e inundar o mundo com as ondas do seu Eu,

Para essas noites de embriagues metafísica e principalmente, para a modorra dos dias que as seguirão, 
dou-te este conselho:

Tenha coragem! 

Acima e antes de qualquer coisa tenha coragem! Mesmo e principalmente nos momentos de maior pavor e de dor! 
Não se ajoelhe aos pés do carrasco, olhe-o e desafie-o diretamente nos olhos e o  faça tremer enquanto desce o machado! 

Fique de pé!

Essa é a segunda e mais cara e preciosa moeda do mundo; um nível abaixo do autoamor e um acima do conhecimento.

Coragem, especialmente para SER, seja lá quem você for ou o que você for.

Se souber disso, o que e quem você é, você é (provavelmente) a criatura mais genuína e importante num raio de muitos milhares de séculos-luz. 

E não, não finja que não o é, porque falsa humildade é repugnante. 
Melhor que sejas honesta e verdadeiramente soberbo na simplicidade de quem se sabe único, Alfa e ômega de si mesmo.

Sê corajoso e tudo irá bem.
Mesmo quando tudo parece desprovido de sentido e valor.

E para aqueles momentos em que pensa estar só ...
Ah, meu caro...
Está muito perto de compreender o quanto você está enganado nos seus momentos de maior certeza.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Da impossível vida


Viver... é uma tarefa difícil...
Eu digo isso para o nada e para ninguém porque no fundo penso que talvez eu queria convencer a mim mesmo ou descobrir alguma verdade libertadora quando digito ao acaso o que me ferve...

Essa blogosfera as vezes se parece em muito com um cemitério ou um livro antigo onde alguém grafou uma frase qualquer e você o lê e fica meio paralisado pelo suposto do que e de quem foi a pessoa que escreveu aquilo e que já então sumiu nessa fluidez dolorosa do mundo virtual.

Diabo, tudo flui afinal...!

As vezes as pessoas simplesmente somem na vida e as vezes elas somem da vida e é sempre perturbador ficar imaginando o que se deu neste ou naquele caso.

Estou tergiversando...
É só que anda me incomodando demasiado a insinceridade com que tenho vivido, fingindo sentimentos e pensamentos unicamente para que não sofram as pessoas a quem amo.

Como seria sublime não ser chicoteado pelas lágrimas dos outros.

Eu ando por BH invejando conscientemente a inconsciência desses fantasmas humanos, gente que se acotovela nas filas de ônibus a caminho de casa e das novelas e futebol e mundanices nas quais fingem viver.

Tal qual Fernando Pessoa, eu invejo qualquer um que não seja eu.
Eu invejo as cordas invisíveis (ao menos para eles) presas às mãos do titereiro que os tange qual gado e invejo de um modo muito doloroso a irresponsabilidade alegre com que aparentemente vivem.

Porque eu tenho também cordas, mas não me foi concedido ignorá-las nem por um instante e não me foi concedido a capacidade de render-me a elas e eu luto uma luta perdida, para me livrar dessa cortante dor de viver.

"Ha barcos para muitos portos, mas nenhum para a vida não doer".
Talvez seja o cinza lá fora, no céu escuro dessa manhã nublada ou talvez sejam as cinzas dentro de mim, restos da cremação da minha juventude...

Mas estou me lembrando (novamente) do porquê escrevo neste lugar: pelo descompromisso com a estética e com a preocupação daqueles que pensam e mentem para si mesmos.
Eu quero ser genuíno, nem que seja para dançar na escuridão.

Viver é uma tarefa impossível, ao menos para quem ama.
E por hoje essa é toda a verdade que encontro por debaixo do céu escuro dessa BH...
E se soo pessimista, não ligo em absoluto que o pensem.
Se eu tivesse digitado pensamentos felizes e mentirosos, minha vida não seria mais genuína.

O que estou fazendo, é tecendo uma teia para tentar resgatar fragmentos meus soltos no vento.
E entoando uma ode ao que eu sou e ao que eu poderia ser se não estivesse tão subjugado de amor pelos outros...

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Tem alguém aí?

Dei uma revirada em uns posts meio apagados em blogs cujos autores alhures me encheram de saudades de gente que nunca conheci.

Senti a mesma sensação de perda sentida em paginas amarelas de livros antigos cujos autores nos deixaram com sua morte um tanto órfãos de humanidade.

Mas essas pessoas estão ai, vivas da Silva como eu, ou Pereiras, ou Bittenncourtts ou sobre outros sobrenomes sobre o mundo.

Onde estão vocês que me deixam tão órfão da sensação de humanidade?

As salas vazias desses corredores aparentemente vazios me fizeram mandar ao diabo a minha preguiça de ser qualquer coisa que não um observador e poupar a quem por ventura ou desventura me lê, a sensação de que também evaporei no mundo e no nada e vir até aqui manifestar a minha contínua existência.

Eu ainda teimo em ser.

Espero que eles também, porque nós já perdemos demais.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Um Não-poema

Ainda não sei rimar, então desenho formulas matemáticas durante um tempo considerável, até perceber perplexo que tampouco sei resolve-las e isso se soma aos demais enigmas em minha cabeça e me sinto pequeno. Gavetas de meias a arrumar, reparos miúdos em uma casa miúda, contas mensais e os grandes enigmas da existência se revesam em noites mal dormidas na função de me deixar por horas a fio a olhar para a escuridão pensando em que devo fazer.

Minha poesia me abandonou ou então fui eu quem deixei de lado o propósito firme de viver e morrer por grandes coisas, naquele período em que me perco entre bater o ponto pela manhã e devanear a caminho de casa no fim da tarde.

Ha ideais em abundância atualmente e eu até lutaria por um deles se não estivesse tão na moda ter ideais e se eu não achasse tão repugnante seguir modas e se eu considerasse sensato falar por qualquer um que não fosse eu mesmo.

Tenho experimentado grandes ausências de mim , hiatos de tempo em que passo os dias a deixar passar os dias, intuindo por entre esse vazio se não me perdi em uma grande fenda qualquer que me deixou nesse limbo de onde escrevo a você mais uma vez o meu desamparo.

Dia desses observei uma mulher grávida a alisar o ventre inchado sonhando um grande futuro para o filho e a invejei e também me apiedei dela.  Não tenho certeza se parir uma ideia ou um ideal é menos ou mais doloroso do que ter um filho e eu já sinto as contrações da minhas ideias ha décadas, mas não as dores do parto. No fim, tanto um filho quanto uma ideia podem dar em nada.

Ainda espero aqui o soar de alguma trombeta que me desperte desse grande sonho modorrento que é a vida, um messias qualquer a apontar um caminho ou uma razão melhor pra levantar pela manhã que não seja o horário dos ônibus ou a bexiga cheia demais aos domingos.

Espero, ardentemente,que por entre esse desfile de espectros fingindo ser gente, você ainda exista

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Poema sem Título e Sem Data


Não há de me atormentar para sempre
O desejo de ser atormentado.
Pelo desejo que me atormenta.
.
Beijo lábios frios, desejando que sejam frios.
Mas escrevi teu nome em letras de fogo, como num sortilégio,
Distraindo-me em adivinhar no céu da sua angustia
Mil motivos para que não me veja olhando-te de volta
Quando te miras num espelho.

Oh, éramos a erva e o sol, o canto rouco do vento
E o silêncio da tarde.
Ela se arrasta preguiçosa e eu conto nuvens no azul.
Eu recordo dos dias felizes em que eu era como esse sol
E te banhavas em minha luz.
E todas as tardes eram preguiçosas como essa.

Todos os dias minha loucura grita.
Que eu tenho o direito de esquecer o ângulo perfeito de teu rosto
E o circulo maravilhoso desse olhar febril que me despe sem me ver.
Mas que homem em sua sanidade
Escuta o que berra a sua loucura?

Imaginei o mundo como um louco carrossel multicolor
E  eu a girar com ele,
Vejo o mundo em cores indistintas.
Um bêbado num carrossel.
Imaginei tuas formas sensuais sendo esculpidas em marfim,
Conseguido ao custo do sangue de muitos homens.
Sangue parece ser sempre o preço a se pagar pelo maravilhar dos olhos.

Seja por vicio poético, seja por escassa imaginação
Comparo-te aos materiais deleites que meus dedos podem tocar.
Que alegria!
Alegria?
 – Poesia!

Então, não te tenho e nem te toco,
Senão com um ou outro delírio fugaz que me permito.

Então se és toda poesia, se és feita de amor,
De que me serve todo o ouro e o delicado marfim do mundo?


quarta-feira, 18 de maio de 2016

1978, Elis Regina e uma mulher em manhãs de sábado



O ano era 1978.

Eu acho. Não se deve confiar demais na memória de alguém que procura memórias suas aos cinco anos de idade. Há gente que, com efeito, se recorda de lembranças de idade mais tenra ainda, prodígios capazes de voltar no tempo até seus dois ou três anos ou, caso não haja exagero, até mesmo meses de idade ou memórias intrauterinas.

Vai saber...
Lamento informar que não me encontro no rol de tais fenômenos e até o que comi no almoço me é tão indistinto quanto a camisa que usei em 15 de abril de 1993 ou, sei lá, minha adolescência que passou quase como um sopro de sonho. Daí eu ter de advertir que muito provavelmente, minhas memorias de 1978 são muito mais sensoriais (nisso eu posso me gabar de ter uma habilidade notável) do que de fatos concretos.

Eu tinha, pois, cinco anos e já era uma criança bem estranha, para os padrões da minha comunidade.

Muito grave, quase nunca ria e nunca chorava e se o fizesse, era em silêncio, no máximo um murmúrio de protesto sentido. Há que se pensar que eu esteja me vangloriando.... Ledo engano! Eu era uma criança “odiosa”. Os adultos me evitavam. As outras crianças também.  Era quieto demais. Silencioso demais. Adultos gostam de crianças barulhentas e dependentes, que lhes acreditem em todas as contradições e mentiras e que os façam sentir-se necessários e as crianças igualmente gostam de outras que lhes desafiem em jogos ou lhes apoiem as gatagens.

Eu era uma coisa que observava, indagava e aprendia. Por isso enquanto a matilha de irmãos e primos gritava lá fora atrás de cachorros, pipas e encrencas, eu me sentava e olhava pro céu, pras nuvens e pra dentro do meu pequeno e curioso eu.

A exceção, o que me arrancava de dentro da minha introspecção era o meu espetáculo favorito. Minha mãe.

Deus inexistente, como eu amava aquela mulher! 
Ela era linda, ora sofrida, ora alegre e vibrante. 
Aos fins de semana, depois de se matar a semana inteira para alimentar a ninhada, ela se matava para limpar a sujeira que a mesma ninhada fazia em suas ausências da semana.
Ela lavava roupas, limpava a casa, fazia a comida e limpava o terreiro, num ritual que lhe comia o dia todo.

Raramente eu a via, durante o dia, se sentar para comer ou para passar óleo nas pernas e cuidar do cabelo, coisa que ela só fazia durante a noite quando a ninhada já estava dormindo. Minha mãe primeiro cuidava do mundo. Depois cuidava de si. Depois disso, ela se sentava próximo a lamparina (não tinha luz elétrica em alguns bairros de BH nessa época) e se dedicava ao vicio que me legou: ler livros.

O menino estranho e a mulher sozinha a cuidar de seis filhos...

1978...

Minha mãe sempre canta quando está triste. Minha mãe está sempre cantando.

Em 1978 ela estava recém separada do meu pai. História comum em bairro comum de uma cidade comum de um mundo comum: Homem “abandona” mulher com filhos e cai no mundo. Lega a mulher o cuidado com os filhos e vai viver a vida com outra. Minha mãe amava aquele homem inconstante. Até onde eu sei, ele fazia um sucesso inacreditável com a mulherada. Charmoso, bonitão e absolutamente canalha, atributos que bem poderia ter me deixado de herança, já que não me deixou pecúnia.

Oh, aos cinco anos de idade eu amei pela primeira vez e pela primeira vez eu vi como era tolo o coração de uma mulher apaixonada. Minha mãe havia sido traída mais de uma vez. E meu pai ia e voltava uma história pra lá de clichê e não vou aborrecer ninguém com esses detalhes porque é basicamente a história de milhares, senão milhões de famílias...

Minha mãe cantava. Tinha uma radiola antiga a pilhas, onde ela ouvia Benito di Paula, Valdir de Azevedo e Elis Regina.

Elis. Se minha mãe foi meu primeiro amor, Elis foi o segundo.

Naquelas manhãs de sábado em que o sol entrava em casa pelas frestas do telhado desenhando moedas de ouro nas paredes e caindo em raios de poeira levantada pela vassoura da minha mãe, eu a ouvia cantar lá fora.

Na radiola, Elis cantava com minha mãe.
Eu já ouvi todas as músicas de Elis. Ouvi várias vezes e nunca consegui ao certo saber qual era aquela que minha mãe duetava com Elis. Talvez seja porque minha memória de cinco anos é emocional e sensorial. Eu ainda não tinha um arcabouço linguístico elaborado o bastante para saber sobre o que cantavam aquelas duas mulheres lindas. Eu apenas intuía. Eu hoje sou ateu, mas penso que aquelas manhãs de sábado eram momentos religiosos. Havia algo de muito místico naquilo. 

Eu saltava da cama irritado por ter dormido demais e ia lá pra fora, pro sol, pra poeira, pra Elis e pra minha mãe.
Elis cantava como um anjo e como um demônio, como uma amante, como uma assassina...!

Não sei qual era, mas minha mãe repetia tanto aquela música que não sei como o disco de vinil não gastava. E na voz de Elis, embora eu não soubesse e nem saiba a letra, eu ouvia a alegria e a dor, Elis amava naquela música e também odiava. Ela parecia implorar e amaldiçoar. Elis gritava sua angustia e seu deleite de um modo absolutamente mágico e parecia protestar e desafiar seja lá qual o destino lhe arrebatara a pessoa amada.

Era prata, cristal e fogo no ar em forma de música. Eu não entendia como meus irmãos ou qualquer pessoa podia fazer ou olhar ou ouvir qualquer coisa que não fosse aquilo. Era minha mãe, ainda lamentando a perda do “amor de sua vida”, chorando junto a Elis Regina em manhãs de sábado de 1978. Eu não sabia bem como reagir a beleza triste daquilo. Algumas vezes eu desejava poder fazer algo, por que em idade edípica, eu também lamentava do meu pai uma ausência qualquer. Venci meu inimigo pelo coração da mulher que eu amava. 

O que eu não sabia, era que eu amava o meu inimigo vencido e que ao expulsá-lo, fiquei com a mulher, mas o coração dela se foi com ele. Saudades do meu pai morto ainda em vida e de minha mãe, morta como mulher... Coisas que o divã revela...

Eu nada podia fazer, mas ao longo dos anos, sempre que minha mãe estava muito triste, eu permanecia calado ao lado dela, numa solidariedade muda, porque a mim parecia em minha fantasia de criança, que ficando perto eu poderia pegar um pouco daquilo que lhe pesava ao coração, absorver parte da tristeza dela para que ela risse mais, porque minha mãe chorando com Elis Regina era uma primavera, mas rindo, ela era as quatro estações e mais algumas.

Foi uma verdadeira lástima que minha mãe, assim como muita gente ao longo do meu caminhar, não compreendesse bem meu modo sutil de amar e de viver. Nunca entendeu o filho calado e profundo e embora ela tentasse muito, nunca conseguiu gostar dele ou o amar como pessoa.

Não me levem a mal (levem-me para Pasárgada!). Eu lhes asseguro que amor de mãe é coisa inútil para mim. Segundo dizem, se uma mãe tiver doze filhos, 11 psicopatas sádicos e um virtuoso, há de amar igualmente aos 12. Então qual o mérito do filho virtuoso no que tange ao amor de sua mãe?

Esse amor ideal de mãe, que tudo suporta, que tudo aceita e blá blá blá.... Isso nunca me interessou de modo que embora ela tenha sido excelente e ido além de suas forças ao cuidar de mim, não chego a lamentar que ela não me tenha amado como um filho. Eu já vi o que os filhos fazem as mães e como o amor por eles é pesado para elas. Todas essas besteiras que li no dia das mães, sobre esse ideário de amor quase transcendental, mãe que ama incondicionalmente, que tudo suporta, como se fosse realmente um martírio qualquer abrir o útero para uma criança, sofrer no parísio; ideário que talvez venha do mito de Maria mãe de Jesus, isso tudo me deixa nauseado, por que parece negar a uma mulher, uma vez sendo mãe, a humanidade própria.

Mães não podem odiar, não podem se permitir uma canalhice, mães não tem orgasmos (supostamente a concepção de filhos deve ser “pura”), momentos de fraqueza ou força, mães estão condenadas à santidade em vida e não são absolutamente, mulheres. 
Pobres mães...

Ah, eu amava aquela mulher que chorava o amor perdido enquanto colocava lençóis azulados de anil na grama para quarar ao som absolutamente mágico da voz incrível de Elis Regina. Amava a força esmagadora dela ao enfrentar o mundo, ao levantar de madrugada no escuro para arrancar sozinha do mundo o com que alimentar os filhos; suportando bravamente enquanto o ser mãe ia lentamente minando o ser mulher dela.

Muita chuva e vento e verões transcorreram desde 1978.


Morreu Elis, morreu meu pai, morreu a mulher que cantava com Elis e chorava pelo meu pai. 

Ficou a mãe, que me olha com olhos gentis, vasculha no fundo da alma algum amor que possa dar ao filho estranho tão “indiferente” e diferente dos outros filhos e pergunta como vou indo, nas raras vezes em que nos vemos. Abraço-lhe o corpo ossudo, os ombros cansados e sinto raiva de mim mesmo por ser seu filho e assim como os outros filhos, ter arrancado dela tanto que não posso devolver. 

Quase como se eu tivesse entrado no Louvre e, extasiado de amor, tivesse arruinado a Mona Lisa...

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Em Três Tempos




(Tarde)
Letárgico, olhava para dentro em queda livre, sentindo a vertigem própria de quem se abisma em si mesmo.

Sentia e ponderava a impertinência que é o sentir.
Me sentia impertinente...

E divagava em meu divagar, me concentrando em me concentrar, extraordinariamente perdido de mim, acendendo cigarros esquecido de que não fumo...

E olhava para a janela fechada tentado me recordar do que era o ânimo para abrir a janela.
Tentando me lembrar do que é lembrar.
E enquanto olhava, entrou pela janela o sol e uma bola
Estilhaçando vidro e letargia.

Pela janela quebrada por onde entrou sol e bola eu olhava a me olhar uma menina com o sol nos olhos e nos cabelos.
O mesmo sol que me entrou pela janela junto a bola.

(Noite)

Experimento estar desperto depois de semanas de sonambulismo insone,
Estico os nervos adormecidos da literatura
E me flexiono atordoado em linhas novamente...
A bola ainda está no chão com o vidro quebrado e o sol arde agora em algum lugar da china e de mim.

(Manhã)

E o que lhe posso dar, criança antiga como as histórias que se contam às crianças?
Há alguma novidade que eu possa contar que já não esteja embolorada de antiguidade?
Há algum presente que eu lhe possa legar no futuro que não esteja enraizado ao passado?
Há perguntas que lhe possa fazer cujas respostas não tenha adivinhado em seus jogos solitários de advinhas?

Eu lhe poderia amar, mas que é o amor que eu conheça, que não seja essa fome ardente que consome até as cinzas e continua a consumir mesmo quando já não há o que consumir?

Tenho um Everest  de motivos, um labirinto de livros não escritos na memória com todas as histórias ainda por contar, mas que esquecemos.

Sei por instinto, como o sabem as feras, todas as alegrias e agruras do mundo na última hora.
Ainda tenho uma garrafa daquele vinho transformado, que antes fora água, e que antes fora chuva, e que antes fora a lágrima de alguém que bebia vinho sozinho...

Cigarros meio fumados, em meios cinzeiros nas cinzas de uma meia manhã cinzenta...
Uma vida meio vivida...

Enquanto recolho do chão os cacos de vidro quebrados e fragmentos da minha consciência adormecida, corto os dedos, conto as horas e me movo em câmara lenta enquanto tento decifrar o mistério que te faz tão jovem e tão antiga.

Sobe a fumaça evolando do meu cérebro em ebulição, esses meus cabelos brancos subitamente pueris diante do seu corpo pós adolescido...

Em dó menor eu desafinei minhas angustias numa sinfonia muda de letras por dias infinitos.
Houve alguma vez dentro ou fora de um poema, palavra que descrevesse o assombro?
Se houvesse, haveria o assombro e haveriam palavras, mas não poesia...
Não haveria você e não haveria eu a escrever sobre escrever sobre você.

Eu faço um poema que rasteja por debaixo dessa prosa e saio do meu transe e entro no seu.
Faço cópulas com as palavras, tentando rimar o que vejo quando olho pra você, com o que eu deveria estar vendo.

E te destino essas linhas e entrelinhas e o que há entre elas e que não escrevi.
E amanhã devolverei a bola, mas acho que reterei o seu sol...



Para Lili, pelo resgate...