quarta-feira, 30 de julho de 2014

Você Tem de Entender Que a Chama Ama o Pavio e a Cera, Mas Tem Pouca Consideração Pelas Asas da Mariposa


Há um garoto seguindo meus passos. Eu realmente não me lembro de ele ser tão prudente.
Tem o cuidado de estar à mesma distância que mantenho do velho cansado
que está sempre a minha frente, não importa onde eu olhe e que e quantas esquinas eu vire.

Não fosse isso, eu o espantaria a pedradas, com a mesma impaciência com que me mira aquele velho cansado, quando o vermelho dos nossos olhos se cruza...

Um dia pretendo virar uma esquina dessas sem dar comigo mesmo pretendendo me desfazer desse desejo de virar esquinas.

Ontem à noite, da porta da rua até o quarto, fui deixando pelo chão da casa, sapatos, meias, roupas e restos de desejos. Quando o resto de mim chegou à cama, já não havia muito para caber em um pijama.
Se eu usasse pijamas...

O que me aborrece de verdade, por debaixo do som da chuva desabando no telhado, é pensar que aquele garoto que fui, não tem nem quinze minutos deixei de ser. É recente demais para que eu me desvencilhe dessa sensação de infância e fragilidade nos sentimentos e no pensamento.

Não importa quantos banhos tome, ainda estou fedendo a leite e a desamparo.

Queria olhar para aqueles sentimentos estranhos como estranhos a mim e me sentir divorciado deles, e esquecer como quem esquece um sonho qualquer quando a rotina do dia se assenta.

Algumas vezes, (umas três por semestre) quase posso fingir pra mim mesmo que ainda me resta alguns trocados no banco, uma fatia de pizza fria na geladeira (atrás do tomate murcho e da garrafa azul de água que eu vivo esquecendo de me lembrar de encher), algum amigo que ainda não tenha feito com que eu me sinta um calhorda e um pouco de esperança de que alguém, em algum lugar no mundo, está neste momento sonhando exatamente com o tipo de criatura que eu sou.

E que a cada dia que passa, sou menos.

Se esse improvável sonhador me encontrasse hoje, reconhecer-me-ia em meio aos restos de mim que nem mesmo chega a encher um pijama (se eu usasse pijamas)?

Acho até que ao menos hoje, me contentaria com alguma reprise decente na tv a cabo, que pago pelo privilégio de me entediar com a antiguidade das idéias novas.





segunda-feira, 21 de julho de 2014

Discordando do Grande Machado de Assis

"Lágrimas não são argumentos...."
Dizia Machado.
E eu digo: Oh, mas são de uma eloquência de dar inveja a qualquer discurso!

domingo, 6 de julho de 2014

Apresentação... Ou Um Exercício de Humanidade



Isso ia soar bem esquisito.
Fazer uma apresentação de mim (exigência para participar de um site de literatura), como se eu fosse ao mesmo tempo um ponto e guia turístico e tivesse de alistar dentre as minhas características algo que valesse a pena uma visita. Lamentavelmente, sou uma criatura bastante vulgar, no que tange a aparência física. Acho esquisitíssimo tirar e exibir fotografias de mim, como se a minha cara fosse algum tipo de obra de arte que valesse a pena ter na parede. Então, receio que quem me visite não vá ter um cartão postal decente que enviar para os conterrâneos. Quero dizer, a estética que se dane, porque eu já me irrito com o trabalho de ter de escolher dentre as roupas que sou obrigado a comprar alguma que seja sóbria o bastante para que eu passe despercebido e ou não assuste as velhinhas no ponto de ônibus a noite como a promessa de um possível assalto ou coisa que o valha e nem dê a impressão de que acabei de sair de um bloco carnavalesco.

Então, fotos em sites, nem pensar!
Porque diabos eu vou dar as pessoas que me visitam o desprazer que me acomete todos os dias pela manhã ao olhar para a minha cara cansada?

Toda vez que faço a barba e tenho de suportar o espelho olhando de volta, olho e penso se a imagem daqueles olhos vermelhos e nariz pontudo ficariam bem numa parede qualquer de uma galeria de arte. O pensamento só não me faz rir porque pela manhã meu humor não está dos melhores, coisa que me torna ainda menos atraente ao olhar...
E olha que nem me considero realmente "feio", mas é que essa pele que uso para me movimentar neste mundo não me parece que deva ser o aspecto que eu vá valorizar em detrimento de outros. Sempre tem um cara mais bonito,  mais "fodão", mais forte, mais rico, mais o diabo, então, que se dane isso que daqui ha uns anos vai ser só poeira numa cova qualquer...

As pessoas geralmente quando se apresentam adotam uma postura bastante estranha, descrevendo defeitos como qualidades, passando-se por temíveis, atraentes ou mais agressivas do que na verdade são. 

Mulheres fatais super-fêmeas, ultraseguras e coquetes até a ponta dos dedos ou o irritante oposto - mocinha-donzela-a-espera-de-uma-porcaria-de-príncipe-que-lhe-vá-salvar-de-sei-lá-o-quê.

Homens super-amantes, dotados de capacidades sexuais dignas de um fauno (aqueles falastrões do tipo, “se te pego de te viro do avesso...”), ou a-porcaria-de-príncipe-de-mentira-que-a-mocinha-das-linhas-de-cima-espera.

Afinal "onde é que há gente no mundo?"

Não neste em que vivemos, isso é certo... 
Um mundo maravilhoso de clichês, de gente clichê, de pensamentos prontos e ou previsivelmente suaves ou previsivelmente agressivos, ou previsivelmente previsíveis...
Existe sempre "a coisa certa" a ser dita. 
Diga, e todos vão amar a pessoa "maravilhosa" que você é.

O fato de "a coisa certa" quase nunca ser verdade ou coisa sincera é de somenos importância.
O que importa é que te amem na mentira, que talvez (se você para pra pensar) seja tão pesado quanto ser odiado na verdade.

Mas todo mundo se protege do desamor dos outros...
Uns exageram suas “qualidades” mais desimportantes e outros o fazem com os defeitos de mesma ordem. Já vi gente, (muita gente aliás) se dizendo “louca” (como se isso fosse alguma vantagem, como como se alguém que fosse realmente 'louco' se visse como tal e não visse no inverso, que louco é o mundo).

 Na maioria das vezes essas pessoas unicamente se valiam da suposição de sua loucura para acobertar uma estranheza (que contraditoriamente é bem normalzinha, por que da pele pra fora todos no mundo nos são estranhos), como desculpa para sua inconstância, para não formarem laços (como se apenas eles ansiassem por uma vida não- simbiótica), para justificar as feridas que sua singularidade causa naqueles que os amam (como fosse possível viver sem ferir os outros).

Os falsos humildes são ainda piores do que os assumidamente arrogantes, com a diferença que estes últimos são engraçadíssimos, enquanto os primeiros são maçantes ao cubo!

Eu penso que ninguém se apresenta como um ser humano, simples, inconstante, cheio de medo e de duvidas simplesmente porque ninguém nos ensina a ser gente, (humana e falível gente) e de outra parte, somos ensinados a nunca pôr a nu diante dos nossos irmãos da confraria humana, que somos tal como eles. Mesmo porque, as pessoas em geral se sentem desconfortáveis quando alguém se atreve a lhe lançar consciência adentro o peso de sua humanidade como um espelho, onde podem mirar a própria. 


Então, por consideração aos vossos brios, permitam-me que me apresente adequadamente...
Eu sou uma semi-divindade, cavalheiros!
Eu sou um homem maravilhoso, virtuoso, forte, inteligente, cheio de convicção e portador de uma força e fé inabaláveis.
Nunca oscilo, nunca tenho um momento de dúvida e não sei o que é fragilidade.
Do mesmíssimo modo que todos vocês, aliás...

Só falo um pouquinho de mentira.

E infelizmente, me falta a mágica capacidade de acreditar nelas.
Nutro em secreto a ambição de um dia acreditar, nas minhas e nas vossas...

Mas eu ainda não tive uma só ambição que não me saísse pela culatra.
Algumas vezes, naquelas horas em que uma sensação tão castanha quanto a minha pele se apossa de mim, fico me perguntando se há algo mais digno de ser ambicionado do que ser simplesmente um ser humano, para fora de qualquer rótulo.

A verdade é que talvez não existam verdades, a não ser a verdade do pó, das coisas ínfimas que no conjunto aparentam as coisas grandiosa em que nossa vaidade se aferra...

Mas tudo se constitui de fina poeira que o vento leva e a mim parece que um homem só tolera a ideia de ser humano porque nesta ideia está implícita a sedutora ideia de ser o embrião de um deus.