quinta-feira, 3 de abril de 2014

SobRE medidas


É só que as vezes 1,70 m e 60 kg são espaço e volume e densidade insuficientes para abrigar uma alma já repleta de insuficiências, mas que tende e se estende ao infinito.
Mesmo que o infinito esteja alojado na cabeça de um alfinete, onde dançam os anjos vadios...

Dizem que a noite é longa e a vida é curta ( e eu querendo muito saber com que diabos de régua as mediram), mas isso com frequência me remete a questão fundamental, que acabou virando um juízo de valor entre pessimistas (os chatos) e otimistas (os iludidos), se o copo afinal está meio cheio ou meio vazio.

E eu achando que qualquer copo está meio cheio de vazio e o vazio tem fome também da metade que não está...

E olhe que eu, que nem mesmo sei ao certo como ajustar o sinal da tv a cabo, ou pra que existem tantos widgets nos aparelhos quando usamos apenas um ou dois ou nenhum e não compreendo outras pequenas miudezas quotidianas que se configuram mistérios para mim; justo eu, tento sondar o gigantismo do nada na metade vazia de um copo.

Na minha balança psicológica, a incompreensão das coisas pesa tanto quanto a consciência dessa incompreensão. E é sem fronteira visível, pelo menos, desse ponto cardinal de onde tento me lançar às estrelas (trilhões de kms acima) enquanto estou indo cada vez mais para baixo (cerca de 2,4x1x1,70m em minha viagem final).

Estou em temporada de caça e abate de Verdades Absolutas, mas creio que minha parede vai ficar limpa de troféus, porque verdades são esquivas e eu tenho péssima mira...

Mas hoje, e talvez apenas hoje, eu gostaria de compreender e ser capaz de desmistificar a antiga verdade de que a mariposa não tem escolha a não ser dançar perigosa e apaixonadamente em torno da voluptuosidade da chama...