terça-feira, 30 de agosto de 2016

Na outra ponta do divã




Talvez no fim, não seja grande coisa meu corpo estar aquecido sob edredons em quarto confortável, se minha alma está enregelada debaixo de uma ponte. 

Oh, que pensamento trágico e gracioso...
Queria ter um verso adequado para rimar com ele e então eu teria poesia e não um exercício fútil de melodrama...

Mas a manhã está boa para pensamentos trágicos e graciosos e me apetece  acrescentar mais uma pedra ao edifício das minhas aspirações natimortas... 

Pensar a vida como uma sucessão de situações venturosas equivale a lançar minha autoestima cambaleante para uma sarjeta qualquer.

Ontem, e antes disso, num tempo que já não levo na consciência, dei-me conta final e tardiamente não entendo em absoluto a dinâmica da vida cotidiana dos semi-deuses que me cercam.

O mistério das relações nesse teatro de bonecos que se chama humanidade (e se Deus é o titereiro supremo ou mais um boneco nas mãos dos bonecos, não sei dizer), não é menos esotérico do que o elixir da vida ou do que a pedra filosofal.

Mas tampouco se pode ser realmente humano sem complicar mais as já complicadas relações.

Ou talvez isso tudo seja apenas fruto de uma má disposição do espírito hoje e semana que vem e no ano passado ou a negação de ter um espírito que vá ter disposição para mais do que se desesperar diante do absurdo.

Talvez seja o nada engolindo novamente o tudo.


E eu, que nada sei sobre nada do que sei, sei que manter elevadas expectativas de mim mesmo, desejando ser moralmente belo e virtuoso, far-me-á ter ódio de mim mesmo por não conseguir jamais viver a altura desses céus onde miro minha ambição por ser.

São essas aspirações que cedo ou tarde me farão acabar com os pulsos sangrando em algum canto escuro ou pendurado numa corda, embora eu prefira pensar que ainda teria forças para fugir para o vazio de modo menos drástico e mais digno.

Nem vou pensar demais nisso, porque a essas alturas, seria uma tragédia se eu me descobrisse súbita e abjetamente religioso.
Deus me livre e me dê antes uma morte honrada!
Mais pensamentos trágicos e graciosos..

Já então, não me podem seduzir ou amedrontar as ameaças do céu e do inferno e estou mais ou menos entregue ao mesmo princípio de caos que orienta o mundo, tanto quanto qualquer um, mas ciente de que estou perdido e de que preciso me orientar.

O caminho do bem não é a minha vereda.
O caminho do mal não é chão onde ponha eu os meus pés trôpegos.

Tenho de me equilibrar sobre a linha fina sobre o abismo, enquanto de ambos os lados, voam pedras sobre mim e urram ventos querendo me derrubar.

Não, este não é definitivamente o meu momento de maior inspiração. 
E o que é que pode inspirar o nada?

Nem é o tédio a corroer as minhas horas, mas o desejo de silêncio que vem da certeza de que lá na outra ponta do divã, dormita o analista e eu falo para os meus próprios ouvidos surdos.


sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Para aquelas noites



Para aquelas noites em que você deixa que tudo  transborde em si, o amor e o ódio na mesma medida;

Para aquelas noites em que você faz as pazes com o que em si te ensinaram a desamar, desarmar e temer;

Para aquelas súbitas e infernais noites em que toda a sua  lógica falha, toda a razão vai tomar chá com o diabo e deus vai colher flores por entre as suas estrelas ,

Para aquelas noites meu caro, em que você se permite desejar derreter-se e inundar o mundo com as ondas do seu Eu,

Para essas noites de embriagues metafísica e principalmente, para a modorra dos dias que as seguirão, 
dou-te este conselho:

Tenha coragem! 

Acima e antes de qualquer coisa tenha coragem! Mesmo e principalmente nos momentos de maior pavor e de dor! 
Não se ajoelhe aos pés do carrasco, olhe-o e desafie-o diretamente nos olhos e o  faça tremer enquanto desce o machado! 

Fique de pé!

Essa é a segunda e mais cara e preciosa moeda do mundo; um nível abaixo do autoamor e um acima do conhecimento.

Coragem, especialmente para SER, seja lá quem você for ou o que você for.

Se souber disso, o que e quem você é, você é (provavelmente) a criatura mais genuína e importante num raio de muitos milhares de séculos-luz. 

E não, não finja que não o é, porque falsa humildade é repugnante. 
Melhor que sejas honesta e verdadeiramente soberbo na simplicidade de quem se sabe único, Alfa e ômega de si mesmo.

Sê corajoso e tudo irá bem.
Mesmo quando tudo parece desprovido de sentido e valor.

E para aqueles momentos em que pensa estar só ...
Ah, meu caro...
Está muito perto de compreender o quanto você está enganado nos seus momentos de maior certeza.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Da impossível vida


Viver... é uma tarefa difícil...
Eu digo isso para o nada e para ninguém porque no fundo penso que talvez eu queria convencer a mim mesmo ou descobrir alguma verdade libertadora quando digito ao acaso o que me ferve...

Essa blogosfera as vezes se parece em muito com um cemitério ou um livro antigo onde alguém grafou uma frase qualquer e você o lê e fica meio paralisado pelo suposto do que e de quem foi a pessoa que escreveu aquilo e que já então sumiu nessa fluidez dolorosa do mundo virtual.

Diabo, tudo flui afinal...!

As vezes as pessoas simplesmente somem na vida e as vezes elas somem da vida e é sempre perturbador ficar imaginando o que se deu neste ou naquele caso.

Estou tergiversando...
É só que anda me incomodando demasiado a insinceridade com que tenho vivido, fingindo sentimentos e pensamentos unicamente para que não sofram as pessoas a quem amo.

Como seria sublime não ser chicoteado pelas lágrimas dos outros.

Eu ando por BH invejando conscientemente a inconsciência desses fantasmas humanos, gente que se acotovela nas filas de ônibus a caminho de casa e das novelas e futebol e mundanices nas quais fingem viver.

Tal qual Fernando Pessoa, eu invejo qualquer um que não seja eu.
Eu invejo as cordas invisíveis (ao menos para eles) presas às mãos do titereiro que os tange qual gado e invejo de um modo muito doloroso a irresponsabilidade alegre com que aparentemente vivem.

Porque eu tenho também cordas, mas não me foi concedido ignorá-las nem por um instante e não me foi concedido a capacidade de render-me a elas e eu luto uma luta perdida, para me livrar dessa cortante dor de viver.

"Ha barcos para muitos portos, mas nenhum para a vida não doer".
Talvez seja o cinza lá fora, no céu escuro dessa manhã nublada ou talvez sejam as cinzas dentro de mim, restos da cremação da minha juventude...

Mas estou me lembrando (novamente) do porquê escrevo neste lugar: pelo descompromisso com a estética e com a preocupação daqueles que pensam e mentem para si mesmos.
Eu quero ser genuíno, nem que seja para dançar na escuridão.

Viver é uma tarefa impossível, ao menos para quem ama.
E por hoje essa é toda a verdade que encontro por debaixo do céu escuro dessa BH...
E se soo pessimista, não ligo em absoluto que o pensem.
Se eu tivesse digitado pensamentos felizes e mentirosos, minha vida não seria mais genuína.

O que estou fazendo, é tecendo uma teia para tentar resgatar fragmentos meus soltos no vento.
E entoando uma ode ao que eu sou e ao que eu poderia ser se não estivesse tão subjugado de amor pelos outros...

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Tem alguém aí?

Dei uma revirada em uns posts meio apagados em blogs cujos autores alhures me encheram de saudades de gente que nunca conheci.

Senti a mesma sensação de perda sentida em paginas amarelas de livros antigos cujos autores nos deixaram com sua morte um tanto órfãos de humanidade.

Mas essas pessoas estão ai, vivas da Silva como eu, ou Pereiras, ou Bittenncourtts ou sobre outros sobrenomes sobre o mundo.

Onde estão vocês que me deixam tão órfão da sensação de humanidade?

As salas vazias desses corredores aparentemente vazios me fizeram mandar ao diabo a minha preguiça de ser qualquer coisa que não um observador e poupar a quem por ventura ou desventura me lê, a sensação de que também evaporei no mundo e no nada e vir até aqui manifestar a minha contínua existência.

Eu ainda teimo em ser.

Espero que eles também, porque nós já perdemos demais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...